top of page
  • Foto do escritorDra. Thaísa Bramusse

Metabolismo na menopausa: 5 dicas para acelerá-lo


Vou começar o post de hoje, com queixas comuns que escuto no consultório, de pacientes no climatério: “vou conseguir emagrecer na menopausa? Meu metabolismo está lento! Estou acumulando muita gordura!”


Se você passou dos 40 anos, é bem provável que já tenha notado alterações no seu corpo, principalmente em relação à maior dificuldade de emagrecer e a ganhar músculos. Aposto até que alguma dessas queixas já te incomoda…


Para eu te dar algumas soluções, acho importante que você compreenda o porquê dessa mudança. Isso te ajudará a colocar as dicas em prática e acelerar o metabolismo. Vamos lá?


Por que o metabolismo fica mais lento na menopausa

Isso é um processo natural do organismo feminino, com o passar dos anos. O metabolismo mais lento é resultado tanto de uma “maior economia” de energia para realizar as funções vitais, quanto da redução na produção de hormônios.


A menopausa é caracterizada pelo declínio hormonal, causado pela falência dos ovários. Isso é algo normal, já que todas as mulheres nascem com uma quantidade de óvulos finita, que começa a se esgotar a partir da primeira menstruação.


Perda de músculos e ganho de gordura

Os hormônios com maior declínio na menopausa são a progesterona (primeiramente), o estrogênio e a testosterona. Além disso, há declínio também no GH (hormônio do crescimento). Todos são essenciais para o ganho de massa muscular.


Há um aumento da resistência insulínica, o que piora a capacidade de controlar o açúcar no sangue e aumenta o armazenamento de energia, em forma de gordura.


Temos que ficar de olho também no cortisol, que pode ser elevado pelo estresse crônico e contribui para o aumento de glicose no sangue e, consequentemente, para engordar.


Essa combinação de queda dos hormônios e aumento da glicose no sangue são determinantes para a redução da massa muscular e o aumento do acúmulo de gordura. E esses dois fatores tornam o metabolismo mais lento.


Alerta sobre contraceptivos hormonais

Algumas mulheres sofrem com o declínio hormonal bem antes do climatério. Uma das causas é o uso de anticoncepcionais hormonais, que podem levar ao que chamamos de menopausa química.


É sempre importante conversar com seu médico de confiança sobre opções de contracepção e aferir seu equilíbrio hormonal.


Consequências do metabolismo lento na menopausa

Aqui estão algumas das principais reclamações das mulheres:

  • Mudança na composição corporal, com aumento de gordura e perda de músculos;

  • Aumento da gordura localizada, principalmente no abdômen, braços e mamas (corpo em formato “maçã”);

  • Risco de sarcopenia e osteopenia;

  • Flacidez, mesmo em mulheres magras;

  • Dificuldade de perder peso.

Como acelerar o metabolismo na menopausa


Alimentação

O primeiro passo é rever sua dieta e a ajuda profissional é muito válida para isso.

Cada vez mais será preciso adequar o aporte calórico e, principalmente, o equilíbrio entre carboidratos, proteínas, gorduras saudáveis e outros nutrientes essenciais.


A suplementação pode ser indicada, mas somente o médico ou, em alguns casos, o nutricionista podem prescrevê-la.


É recomendado reduzir o consumo de comidas ultraprocessadas, ricas em aditivos químicos, carboidratos refinados e gorduras trans.


Hidrate-se! Isso significa beber água frequentemente, mesmo sem sede. Aliás, sede é um sintoma de um corpo desidratado.


Atividade física

Chega de sedentarismo. Músculos são construídos com estímulo certo e alimentação adequada, e acredite, você vai precisar deles para acelerar o metabolismo.


Os exercícios de força (musculação é o principal) vão te ajudar a construir massa magra. Não adianta somente fazer uma caminhada, correr, dançar… A atividade aeróbica é importante para a saúde cardiopulmonar e para a produção de neurotransmissores do bem-estar, mas você precisa de estímulos de força para ganhar músculos.


A associação de atividades aeróbicas e anaeróbicas vai te ajudar a acelerar seu metabolismo, a prevenir doenças, a tonificar seu corpo, a reduzir a flacidez e a emagrecer.


Sono de qualidade

Subestimar a importância do sono para a saúde e para o emagrecimento é um erro comum. Durante o sono, várias funções metabólicas são realizadas, como a reparação tecidual e a produção hormonal.


Dormir bem é essencial para fortalecer o sistema imunológico, reparar tecidos e construir músculos, reduzir o estresse, produzir neurotransmissores e hormônios.


Tente dormir mais cedo, até as 22h. Deixe o celular e a TV de lado pelo menos 1 hora antes de se deitar. Crie um ambiente aconchegante e escuro (até mesmo luzes de “stand by” dos aparelhos eletrônicos podem ser prejudiciais).


Manejo do estresse

Controlar o estresse vai te ajudar a manter equilibrado o cortisol. Então, é hora de valorizar ainda mais hobbies, atividades relaxantes como yoga e meditação, momentos de prazer com a família e amigos, viagens… Tudo aquilo que te enche de alegria e tranquilidade.


Equilíbrio hormonal

De fato, a redução dos hormônios é o principal fator para o metabolismo mais lento, associado ao ganho de gordura e à redução de massa magra.


O recomendado é que você não espere o climatério para começar a cuidar do equilíbrio hormonal. Monitorar esse declínio logo no estágio inicial contribui para reduzir os efeitos da menopausa e os sintomas desagradáveis que a acompanham.


A reposição hormonal é uma alternativa segura, quando realizada por um médico qualificado. Cada mulher deve ser avaliada individualmente, para entender se é uma opção para o caso.


Recuperar os níveis de testosterona, por exemplo, facilita a manutenção de uma composição corporal saudável e a acelerar o metabolismo. Fora os inúmeros benefícios para o bem-estar e a saúde. Como disse, cada caso deve ser avaliado e acompanhado pelo médico.


Sua saúde está em jogo

É claro que a questão estética é importante para nossa autoestima. Mas é indiscutível que a queda hormonal e o metabolismo lento trazem danos para a saúde. E essa deve ser a sua principal preocupação.


A menopausa está associada a um risco aumentado para diabetes, doenças cardiovasculares, sarcopenia, osteoporose, dores crônicas, depressão, além da redução na libido e na disposição.


Então, quando falamos em acelerar o metabolismo na menopausa, estamos mesmo é aumentando sua saúde e seu bem-estar.


Conte comigo para esclarecer suas dúvidas e te ajudar.


Até a próxima!


Commenti


bottom of page